5 principais tipos de investimento a curto prazo para se beneficiar

Investir e precisar retirar a aplicação em pouco tempo pode ser desastroso, afinal, as chances de perder dinheiro são altas. O problema é que nem sempre é possível prever quando será necessário fazer o resgate, não é mesmo?

Essa imprevisibilidade leva muitas pessoas a recorrem à poupança, que quase sempre não traz retornos tão altos. A boa notícia é que há uma alternativa: o investimento a curto prazo, programado para o período de até um ano!

Por que abrir mão de um rendimento maior? Existem opções muito boas para quem quer proteger e rentabilizar seu capital mesmo não podendo deixar o dinheiro investido por um longo período. O importante é alcançar a melhor remuneração possível para o prazo definido, certo?

Neste post, vamos demonstrar quais são as melhores opções de investimento a curto prazo para diferentes perfis de investidores. Venha conosco e fique por dentro do assunto!

Como montar uma estratégia de investimento a curto prazo?

Antes de criar uma estratégia, você precisa entender o que é investimento a curto prazo. 

Como adiantamos no início do post, o investimento a curto prazo é uma aplicação programada para ser mantida por um período de até um ano.

A partir desse conceito, a primeira coisa que precisa ser avaliada é o seu objetivo. No caso do investimento a curto prazo, esse objetivo pode ser fazer uma viagem para outro país, dependendo da quantia que você tem. 

Veja o exemplo da Júlia que, no ano passado, começou a programar a viagem dos sonhos — que custaria R$20 mil. No início do planejamento, ela tinha R$10 mil na poupança, mas, sabendo que o rendimento estava muito baixo, decidiu usar esse dinheiro para fazer um investimento mais rentável.

Foi assim que ela sacou o dinheiro da poupança e colocou R$6 mil em CDB e R$4 mil em um Fundo DI. Mês a mês, Júlia acrescentava R$750,00 às suas aplicações. Um ano depois, ela já estava com seus R$20.296,00 e prontinha para embarcar!

Como ela foi tão bem-sucedida? Simples: ela definiu o objetivo, analisou qual seria o prazo, o valor a ser investido, o rendimento necessário e o risco que estava disposta a tolerar.

Quais são os principais tipos de investimento a curto prazo?

Agora que você já sabe o que é um investimento a curto prazo e a importância de ter um objetivo para esse tipo de planejamento, é importante que você conheça os tipos de aplicação que se encaixam nesse período.

A seguir, listamos os cinco principais. Acompanhe!

1. Ações

Você já deve ter ouvido falar que investir em ações é arriscado e que é preciso manter essa aplicação no longo prazo para se dar bem.

Realmente, é uma aplicação de maior risco e que tem algumas vantagens quando mantida por um período maior, como o pagamento de dividendos periódicos. Por outro lado, é possível minimizar os riscos e obter bons retornos no curto prazo. As ações estão entre os ativos com maior liquidez no mercado.

O que isso quer dizer? A liquidez é a facilidade em resgatar um investimento. No caso das ações, dizemos que elas têm alta liquidez porque, diariamente, há muitos investidores negociando esses ativos. Ou seja, geralmente é muito fácil realizar a venda.

O importante é observar se você está adquirindo ações de companhias bem aceitas no mercado. Conhecimento é fundamental para aproveitar as melhores oportunidades, tanto na compra quanto na venda. Na dúvida, o melhor caminho é consultar uma assessoria de investimentos.

2. CDB

Os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) são títulos de renda fixa emitidos por bancos. O investidor, no momento da aplicação, já tem uma perspectiva da rentabilidade para o período em que vai manter o investimento

As taxas de remuneração podem ser pré ou pós-fixadas. No CDB prefixado, o investidor já sabe qual será a rentabilidade do título. No CDB pós-fixado, a margem será um percentual sobre o Certificado de Depósito Interbancário (CDI). O ideal é que o aplicador consiga um retorno próximo, preferencialmente superior a 100% do CDI.

O CDB é um investimento de baixo risco e assegurado pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Em caso de perdas decorrentes de problemas no sistema bancário, o investidor receberá o valor aplicado, desde que limitado a R$250 mil.

Mas atenção! A maior parte dos CDBs têm vencimento previsto para o médio e longo prazo, entretanto é possível encontrar títulos com liquidez diária. 

Nesses casos, as instituições financeiras de grande porte costumam pagar uma remuneração mais baixa, até mesmo inferior ao CDI. Por isso, é muito importante observar as oportunidades oferecidas pelas instituições de menor porte. 

3. Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um dos títulos oferecidos pelo Tesouro Direto — e é o que oferece maiores vantagens no investimento a curto prazo. Isso acontece porque ele tem liquidez diária, por isso, se você precisar vender o título antes da data de vencimento, o Tesouro Nacional garante a recompra pelo valor de mercado.

Quanto à rentabilidade, ela está associada à Taxa Selic. Esse é um aspecto positivo para quem quer fugir das grandes variações de mercado, como as que ocorrem com as ações. 

Por ser um investimento assegurado pelo Tesouro Nacional, os riscos são mínimos. Além disso, é possível começar a investir nesses títulos com um valor baixo, a partir de R$30,00. É uma boa opção, não acha?

4. Letras de Crédito

As Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e do Agronegócio (LCA) são modalidades de títulos privados emitidos por bancos e que atendem bem ao propósito de investimento a curto prazo.

Funcionam da seguinte maneira: a instituição bancária emite esses títulos que serão adquiridos por investidores. Todo o valor captado será usado no financiamento de atividades imobiliárias e agropecuárias, por meio da concessão de empréstimo (crédito).

Para os investidores, não há muita distinção entre LCI e LCA. O que precisa ser observado é o prazo de investimento e a rentabilidade. O período de aplicação precisa ser rigorosamente avaliado, pois há carência para o resgate. Em outras palavras, você não poderá se desfazer da aplicação até o fim do período exigido.

No caso dos títulos que não têm carência, o risco de fazer o resgate antes do vencimento é o de obter um retorno menor do que o esperado, fazendo com que você perca dinheiro.

Quanto à rentabilidade, as letras de crédito pagam percentuais do CDI. O ideal é conseguir uma quantia próxima ou superior a 100% do CDI. Duas vantagens desses títulos é que eles são isentos de imposto de renda e assegurados pelo FGC.

5. Fundo DI

O Fundo DI é um investimento de renda fixa, com patrimônio dividido em cotas e administrado por gestores profissionais.

Esse tipo de investimento funciona como um condomínio, em que cada participante (cotista) adquire sua parte no fundo. Os recursos devem ser gerenciados para alcançar retorno compatível ou superior ao CDI.

Como investimento a curto prazo, o Fundo DI é uma opção interessante, pois tem alta liquidez. Caso seja necessário se desfazer da aplicação, é possível fazer o resgate a qualquer momento, de um dia para o outro.

Quais são as taxas no investimento a curto prazo?

Um aspecto fundamental para garantir o melhor retorno no investimento a curto prazo é verificar quais são os custos tributários da aplicação.

De modo geral, eles se resumem ao Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e ao Imposto de Renda. Veja:

IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é aplicado aos resgates feitos em um período inferior a um mês. Esse imposto incide sobre os rendimentos brutos obtidos pelo investidor. As alíquotas são regressivas e começam em 96% no primeiro dia após a aplicação, chegando a 3% no 29º dia.

Imposto de Renda

No Imposto de Renda, o investidor paga uma determinada alíquota sobre o rendimento obtido. Confira abaixo o custo para os investimentos a curto prazo que citamos neste artigo:

InvestimentoPrazo de AplicaçãoAlíquota do IR
Fundos de curto prazoCDBTesouro SelicAté 180 dias22,5%
Fundos de curto prazoCDBTesouro SelicDe 180 dias a 360 dias20%
Ações15%
Ações (operações de um dia)20%
LCI/LCAIsentas

Como você viu, recorrer ao investimento a curto prazo é a melhor opção para quem não pode ou não quer deixar o dinheiro muito tempo aplicado. Porém, é fundamental checar se há perdas nos resgates antes do vencimento nesse tipo de aplicação.

O investimento a curto prazo é também uma excelente oportunidade para testar suas habilidades como investidor. Já pensou nisso? Faça o teste!

Se você gostou do post, compartilhe nossas dicas nas redes sociais e continue com a gente nas próximas postagens!

Você também pode gostar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *