Taxa Selic: o que é e como ela afeta suas finanças?

O noticiário tradicional da economia certamente sempre se refere à Taxa Selic como taxa básica de juros da economia. É provável que você já tenha ouvido por aí essa expressão, certo?

A decisão sobre se esta taxa sobe ou desce ocorre a cada 45 dias em uma reunião do chamado Comitê de Política Monetária do Banco Central, ou simplesmente Copom.

Então, se você acompanha um pouco sobre economia e investimentos, percebe que às vésperas da quarta-feira (as reuniões terminam neste dia), os mercados se agitam.

Mas, o que é a Taxa Selic e como ela funciona? Como ela, de fato, mexe com a sua (nossa) vida? Vamos aprender isso neste texto!

Aliás, antes de começar, vale lembrar que a Selic no momento da publicação deste texto é de 5,25% ao ano.

O que é a Taxa Selic?

Conforme dito no início deste texto, estamos tratando aqui da taxa básica de juros da nossa economia.

Como referência, a Selic baliza diretamente todas as demais taxas que conhecemos, de empréstimos e financiamentos a rentabilidade da renda fixa e outras aplicações.

Pouca gente tem essa curiosidade de pesquisar, mas Selic significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia.

Dessa forma, Selic é o ambiente em que os títulos do Tesouro Nacional são negociados diariamente por nossas instituições financeiras.

Mas Selic não é uma taxa? Ela está associada aos juros dos títulos que são negociados no sistema mencionado acima.

Como funciona a Taxa Selic?

Em resumo, a Selic é a taxa básica de juros da economia. Ou seja, ela influencia todas as taxas de juros do país, como as taxas de juros dos empréstimos, dos financiamentos e das aplicações financeiras.

Além disso, ela é o principal instrumento de política monetária utilizado pelo Banco Central (BC) para controlar a inflação.

A taxa Selic refere-se à taxa de juros apurada nas operações de empréstimos de um dia entre as instituições financeiras que utilizam títulos públicos federais como garantia.

O BC opera no mercado de títulos públicos para que a taxa Selic efetiva esteja em linha com a meta da Selic definida na reunião do Copom.

Taxa Selic Meta

A Selic que tanto ouvimos falar é, tecnicamente, a Taxa Selic Meta. Ela tem esse nome porque ela é definida na reunião do Copom como parâmetro para outras taxas.

Uma destas outras taxas é a Taxa Selic Over. Para que você possa entender esse conceito, vamos falar de algo comum na economia de praticamente todos os países.

Taxa Selic Over

Por que um governo emite títulos da dívida pública, ou simplesmente títulos públicos? Porque precisa se capitalizar e ter como fazer investimentos no país.

Além dos impostos, é através da emissão de dívida que uma nação consegue ter condições de fazer melhorias e honrar seus compromissos.

Os títulos públicos, portanto, são oferecidos através do sistema SELIC e negociados por grandes bancos e instituições financeiras.

Por enquanto, guarde este conceito: títulos públicos são comprados e vendidos aos montes, diariamente, por muitas instituições.

Entra em cena agora uma lei que obriga toda instituição a manter em uma conta registrada no Banco Central uma parte dos depósitos que ela recebe todo dia.

Isso significa que, diariamente, uma parcela de todo dinheiro depositado no banco precisa estar na conta controlada pelo Banco Central.

Isso acontece para que haja um controle sobre a quantidade de dinheiro em circulação.

Agora lembre-se dos títulos públicos comprados e vendidos diariamente e some a isso os depósitos feitos por milhares de clientes.

No fechamento do dia, é normal que haja divergência entre o que deveria estar na conta do Banco Central e o que de fato está lá.

Um banco pode ter que pegar dinheiro emprestado (e outro emprestar) para cumprir essa obrigação. Empréstimos com prazo de 24 horas, no máximo.

A garantia destes empréstimos são os títulos públicos e os juros deste empréstimo são conhecidos como Taxa Selic Over.

Qual é a Taxa Selic hoje?

A Taxa Selic hoje está em 5,25% ao ano e sua definição neste patamar se deu no dia 4 de agosto de 2021.

Naquela data, o Copom elevou a taxa em 1%, passando de 4,25% ao ano para 5,25% ao ano, configurando-se como a quarta alta consecutiva.

No gráfico a seguir, você pode ver o comportamento da Selic ao longo da última década:

Taxa Selic - Dinheirama
Fonte: Banco Central do Brasil

As reuniões para definição da Taxa Selic acontecem a cada 45 dias e são realizadas pelo Copom, do Banco Central.

O mercado, através de previsões e compartilhamento de relatórios com suas expectativas, procura sempre compreender o movimento da taxa.

A Taxa Selic pode permanecer a mesma (estável), subir ou cair – e a mudança da taxa tem como prerrogativa justamente lidar com a economia e seus efeitos na vida dos brasileiros.

Como a Selic afeta a economia?

Mesmo que para a imensa maioria de brasileiros Selic seja sinônimo de coisa alguma, a Taxa Selic mexe com nossas vidas de forma direta.

Quando a Taxa Selic cai:

  • As taxas de juros cobradas nos empréstimos e financiamentos também caem;
  • Inflação começa a subir.

Quando a Taxa Selic sobe:

  • Os juros cobrados nos financiamentos e empréstimos também sobem;
  • Os preços dos produtos param de subir (ou caem), porque o apetite das pessoas por comprá-los diminui (o crédito ficou mais caro, lembra?);
  • A inflação estabiliza e começa a cair.

Como a Selic controla a inflação?

Se você tem menos de 40 anos, talvez não se lembre de um período de nossa história marcado pela hiperinflação.

No Brasil dos anos 80, o preço dos produtos mudava diariamente e dobrava de um mês para o outro. Inflação de 80% ao mês era “normal”.

A Taxa Selic foi criada em 1979 como um instrumento de política monetária. Ou seja, para controlar a inflação.

No site oficial do Banco Central que trata da Selic, há uma imagem que resume seu funcionamento na prática:

Taxa Selic - Dinheirama
Fonte: Banco Central do Brasil

Em resumo:

  • Elevar a Selic significa tentar impedir que a inflação continue aumentando, uma vez que emprestar dinheiro ficará mais caro e menos atrativo (juros mais elevados);
  • Baixar a Selic significa tornar o crédito mais atrativo (juros mais baixos), estimulando a economia e elevando a inflação.

Selic: como investir?

Como a Taxa Selic é uma referência, uma meta, ninguém consegue investir diretamente nela, mas em aplicações de renda fixa cuja rentabilidade depende dela:

Selic e CDI

Você se lembra que, alguns parágrafos acima, eu expliquei sobre a Taxa Selic Over, calculada com base nos empréstimos que os bancos fazem entre si?

Pois bem, além de fazer empréstimos diários para cumprirem com as regras exigidas pelo Banco Central, estes bancos também precisam das contas com saldo positivo, todo dia.

O Banco Central também exige que as instituições financeiras fechem o dia com saldo positivo, o que nem sempre acontece naturalmente.

O empréstimo feito de um banco para o outro com essa finalidade chama-se CDI, Certificado de Depósito Interbancário.

Como todo empréstimo tem um custo (juros), neste caso a taxa paga ficou conhecida como CDI e tem como referência a Taxa Selic.

Tesouro Selic

Os títulos Tesouro Selic são títulos pós-fixados que possuem rentabilidade atrelada à Taxa Selic.

É o investimento ideal para quem quer começar a investir no Tesouro Direto. Ideal para reserva de emergência e objetivos de curto prazo.

Caderneta de Poupança

A rentabilidade da poupança tem relação direta com a Selic desde 2012:

  • Quando a Taxa Selic estiver acima de 8,5% ao ano, a rentabilidade mensal da poupança será de 0,5% + Taxa Referencial;
  • Quando a Taxa Selic estiver igual ou abaixo de 8,5% ao ano, a rentabilidade mensal da poupança será de 70% da Selic + Taxa Referencial.

Conclusão

A Taxa Selic é ao mesmo tempo um conceito e um elemento essencial na vida (e nos investimentos) de todos os brasileiros.

Compreender como a Selic influencia o dia a dia da economia e nossa tomada de decisões é fundamental para o planejamento financeiro.

Em um país como o Brasil, em que inflação, risco e retorno são sempre aspectos peculiares e desafiadores, não basta confiar seus investimentos a algum especialista.

Aprender sempre mais sobre economia e finanças faz muita diferença.

Você também pode gostar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *