Renováveis dão desconto de 50 euros na conta da luz das famílias

Em quatro anos, um deles em pandemia, as energias renováveis permitiram que os consumidores poupassem 6,1 mil milhões de euros. Assim, o estudo da consultora Deloitte conclui que, de 2016 a 2020, o preço de venda da eletricidade teria sido, em média, 24€/MWh superior ao preço de venda que se verificou devido à incorporação das renováveis.

“Considerando que o diferencial entre a poupança obtida com a presença da PRE renovável em mercado e o sobrecusto da PRE renovável é de 0,009 €/kWh, significa que as PRE-FER podem gerar poupanças anuais na fatura da eletricidade de até 50 euros para um consumidor doméstico e de até 4.500 euros para um consumidor não-doméstico”.

APREN – Impacto da Energia Renovável

Renováveis trazem mais poupança em pandemia

Em 2016 a poupança foi de 389 milhões de euros, mas, em 2017 baixou para os 170 milhões de euros. Contudo, em 2018 os consumidores pagaram menos 284 milhões de euros e em 2019, a poupança voltou a baixar para os 144 milhões de euros. Ainda assim, a maior poupança aconteceu mesmo em plena pandemia, no ano passado, devido à quebra de consumo de energia: 684 milhões de euros.

A Associação de Energias Renováveis (APREN), encomendou o estudo, com o objetivo de quis analisar o impacto das chamadas energias limpas nos vários setores: desde a fatura do cliente final ao emprego, passando pela dependência energética e fiscalidade e, claro, a dimensão ambiental.

Mas as poupanças financeiras não se ficam por aqui: só em importações de carvão e gás natural, deixaram de se gastar cerca de 4,1 mil milhões de euros.  Da mesma forma, e fazendo a estimativa a uma década (2020-2030), o documento aponta que as renováveis evitaram a importação de 19 mil milhões de euros de combustíveis fosseis. Além disso, o ambiente também beneficiou, com a emissão de menos 76 milhões de toneladas equivalentes de CO2.

Leia ainda: Quer produzir energia solar em casa? Conheça as regras

Renováveis empregam mais de 50 mil pessoas

O estudo conclui ainda que a contribuição das renováveis para a economia portuguesa foi de uma média de 3,7 mil milhões de euros ao ano, (1,9% do PIB), conseguindo uma média de 45 mil empregos, ainda que, por causa da pandemia, em 2020 tenha havido um corte no número postos de trabalho.

Finalmente, com o crescimento previsto da potência instalada e da geração de eletricidade de fonte renovável para os próximos anos, o documento estima que em 2030 as contribuições anuais para a Segurança Social e IRS provenientes do setor alcançarão mais de 1,6 mil milhões de euros e 1,3 mil milhões de euros, respetivamente.

Leia mais: Saiba como poupar na sua fatura energética com as energias renováveis

Partilhe este artigo

Você também pode gostar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *