Crédito pessoal e empréstimo: existe diferença?

Já precisou de um empréstimo? Ou já te ofereceram um crédito pessoal? Essas são situações comuns envolvendo dinheiro que quase todo mundo já vivenciou. Ainda assim, na hora de escolher entre crédito pessoal e empréstimo, é normal surgirem dúvidas a respeito das particularidades entre eles.

Mas, afinal de contas, existem diferenças práticas entre esses termos? E quais cuidados tomar na hora de contratar um dos dois? Respondemos a isso ao longo do post. Boa leitura!

Existe diferença entre crédito pessoal e empréstimo?

Logo de cara, é preciso dizer que não há diferenças que mereçam destaque entre crédito pessoal e empréstimo. Os dois termos se referem a uma operação na qual um banco ou empresa autorizada a exercer essa atividade concede dinheiro ao cliente. A quantia deve ser devolvida em determinado período, acrescida de juros e demais taxas.

O emprego das palavras “empréstimo” e “crédito” pessoal revela um aspecto cultural: enquanto a primeira denota a ideia de alguém que está em apuros e precisa de ajuda, a segunda transmite a sensação de alguém com credibilidade para receber o dinheiro quando for necessário.

Apesar disso, em ambos os casos, temos uma situação em que determinada quantia de dinheiro foi pega de alguém para ser devolvida de acordo com determinadas condições.

O valor liberado pode ser usado livremente, de acordo com a necessidade de quem contratou o serviço. Os recursos normalmente são depositados em uma conta corrente em nome do cliente, e não é necessário informar  qual destino será dado ao dinheiro.

Todavia, o recomendado é recorrer a empréstimos para quitar dívidas, comprar bens de grande valor ou para resolver situações de emergência.

Quais cuidados devem ser tomados antes de pegar dinheiro emprestado?

Todo empréstimo ou crédito pessoal é concedido mediante uma análise do banco ou empresa responsável por liberar o dinheiro. Por isso, quem está com o “nome sujo” costuma ter dificuldades, já que ter o histórico de bom pagador geralmente é requisito indispensável. Pessoas incluídas nos serviços de proteção ao crédito conseguem crédito em alguns casos, mas isso quase sempre significa juros mais altos.

Falando em juros, eles devem ser outra preocupação de quem vai contratar crédito. Os juros são o preço que precisa ser pago pelo uso do dinheiro liberado e se referem à remuneração da empresa que presta o serviço. Além das taxas de juros, é preciso ter consciência do Custo Efetivo Total (CET) da operação, que reúne tudo com o que será necessário arcar ao longo do período.

O valor das parcelas e o prazo de pagamento também precisam ser avaliados. As parcelas devem ser condizentes com o orçamento, sem comprometê-lo demais, afetando as despesas rotineiras.

Por fim, vale a pena fazer uma pesquisa e conhecer todas as opções de crédito disponíveis no mercado, em busca daquela melhor que atenda as suas necessidades. Empresas de empréstimo online, por exemplo, conseguem oferecer esse serviço de forma mais prática e segura, com taxas muito atrativas.

Resumindo: não há diferença significativa entre crédito pessoal e empréstimo. Quem precisa de dinheiro deve procurar as melhores ofertas e contratar esse serviço sempre com responsabilidade.

Já precisou de um empréstimo? Como foi sua experiência? Nos conte deixando sua mensagem nos comentários!

Você também pode gostar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *