Benefícios flexíveis no trabalho: Dos mais comuns às novas tendências

Os benefícios extrassalariais ou benefícios flexíveis no trabalho são cada vez mais valorizados pelos candidatos na hora de tomar uma decisão sobre o seu futuro profissional.

Vivemos um período em que os trabalhadores são altamente qualificados e, em algumas áreas profissionais, têm até um maior poder de escolha. Logo, se o salário for idêntico em algumas empresas com vagas, os benefícios flexíveis podem despertar o interesse de futuros colaboradores e ser uma forma das empresas reterem profissionais de topo.

Assim, conscientes desta realidade, muitas empresas portuguesas alargaram os benefícios extrassalariais, dispondo hoje em dia de uma oferta mais diversificada. No entanto, os benefícios oferecidos nem sempre vão de encontro ao que os trabalhadores procuram no mercado laboral.

Caso esteja a analisar algumas propostas de trabalho, saiba que conhecer os benefícios flexíveis laborais mais comuns e o que as empresas em Portugal estão a implementar, pode ajudá-lo a negociar melhores condições contratuais.

Por isso, neste artigo, vamos mostrar-lhe quais são os benefícios flexíveis no trabalho mais comuns. Saiba ainda o que as grandes empresas estão a implementar e os benefícios mais valorizados pelos trabalhadores atualmente.

O que são benefícios flexíveis no trabalho?

Resumidamente, os benefícios flexíveis no trabalho são complementos ao pacote salarial que as empresas oferecem aos seus trabalhadores.

Ou seja, além do salário anual, os trabalhadores que beneficiem de alguns benefícios extrassalariais não só podem poupar dinheiro com algumas despesas, como também podem ter acesso a outras vantagens que melhorem a sua qualidade de vida, a nível pessoal e profissional.

Por exemplo, em alturas de crise económica, tendencialmente com os salários a ficar estagnados, os benefícios extrassalariais foram apresentados como uma solução por muitas empresas.

Contudo, esta tendência não desapareceu após esse período. Pelo contrário. Os benefícios extrassalariais tornaram-se ainda mais relevantes e, atualmente, são mesmo uma das principais formas de reter talento qualificado.

Tradicionalmente, e maioritariamente, estes benefícios assumiram o formato de vales ou cheques. Os mais conhecidos são os vales de refeição (cartão refeição), vales de transportes ou cheques infância. Mas, as regalias como atribuição de telemóvel, computador ou carro da empresa, também começaram a assumir um papel de destaque.

No entanto, hoje em dia, os benefícios flexíveis são muito mais diversificados, abrangendo a saúde, bem-estar, formação, a família e até as próprias condições de trabalho.

Quais são os benefícios mais comuns em Portugal?

Embora cada empresa tenha a sua própria política para atribuir benefícios flexíveis no trabalho, existem benefícios mais comuns entre as entidades empregadoras portuguesas.

Em 2019, os benefícios flexíveis no trabalho mais comuns em Portugal eram:

  • Complementos de subsídio de doença;
  • Planos médicos ou seguros de saúde;
  • Seguros de acidentes pessoais e de vida;
  • Planos de pensões;
  • Dias de férias extra;
  • Comparticipação com despesas de educação;
  • Política automóvel.

Mas, nem todas as empresas oferecem este tipo de benefícios. Existem empresas onde os benefícios extrassalariais são mais reduzidos. Nestes casos, costumam englobar:

  • Tickets de refeição ou cartão de refeição;
  • Subsídio de transporte;
  • Atribuição de computador e telemóvel para fins profissionais e pessoais;
  • Ausência remunerada no dia de aniversário;
  • Descontos em produtos ou serviços;
  • Entre outras.

Além desta lista de benefícios flexíveis no trabalho, algumas empresas em Portugal oferecem prémios aos seus trabalhadores. Por norma, estes prémios são atribuídos pelo desempenho, assiduidade ou anualmente. Já o formato, pode ser em dinheiro, cartão ou em bens e serviços.

Homem sentado no sofá a trabalhar com o seu portátil em cima das pernas

Benefícios flexíveis no trabalho: os mais desejados

Nos últimos anos, a nível global, muitos trabalhadores começam a olhar para os benefícios extrassalariais com outros olhos.

Por um lado, os trabalhadores mais jovens procuram benefícios que permitam conjugar melhor a vida pessoal e profissional. Por outro, os benefícios que permitem aumentar o nível de formação e diminuir as despesas com maior impacto, também são cada vez mais valorizados.

Mas vamos a exemplos concretos.

Benefícios mais valorizados pelas novas gerações

Muitos dos jovens profissionais procuram benefícios que permitam gerir melhorar as suas vidas a nível de horários. Como tal, estes trabalhadores valorizam horários flexíveis e a possibilidade de trabalho remoto.

Para os jovens, a liberdade de trabalhar a partir de qualquer local, sem seguirem um horário das 9h às 17h, é um cenário mais atrativo. Afinal, este tipo de gestão permite abraçar novos hobbies ou criar negócios próprios paralelos e conseguir conciliar tudo.

Contudo, esta não é apenas uma preferência dos trabalhadores mais jovens. Com a pandemia da Covid-19, muitos trabalhadores passaram a considerar o teletrabalho como uma opção que gostariam de manter, mesmo num modelo híbrido (presencial e remoto).

Benefícios para formações e certificações

Embora se possa pensar que este tipo de benefícios não está na lista das preferências dos trabalhadores, a verdade é que vários estudos indicam o contrário.

Por exemplo, o Guia do Mercado Laboral 2020, da Hays, que abordamos no artigo sobre as tendências do mercado de trabalho em 2020, mostrava que cerca de 61% dos colaboradores inquiridos valorizavam a formação profissional e certificações.

Afinal, não nos podemos esquecer que as formações e certificações são importantes para progredir a nível de carreira. Além disso, se o trabalhador pretender mudar de emprego mais tarde, essas formações e certificações podem ajudar em futuras contratações.

Benefício mais apreciado pela maioria dos trabalhadores

Em 2019, de acordo com dados avançados por responsáveis da área de Recursos Humanos, consultados pelo Expresso, 78% dos trabalhadores valorizam empresas que disponibilizem aos seus colaboradores seguros de saúde.

Dado que o tempo de espera, para vários serviços, no Serviço Nacional de Saúde (SNS) é muitas vezes elevado, a procura por médicos privados tem vindo a aumentar. Além disso, muitos dos seguros de saúde permitem realizar cirurgias, consultas de especialidade, que no SNS levaria anos em filas de espera.

No entanto, ter um seguro de saúde pode ser uma despesa significativa. Por isso, se essa despesa for suportada pela empresa, pode ser um fator decisivo na escolha de um novo emprego.

Novas tendências dos benefícios flexíveis no trabalho

Além de todos os benefícios que referimos até aqui, algumas empresas em Portugal começam a implementar outro tipo de benefícios flexíveis.

Dado que a saúde é cada vez mais valorizada, as empresas procuram encontrar soluções para ajudar os seus trabalhadores a manterem-se saudáveis. Para além dos seguros de saúde, algumas empresas ajudam a pagar mensalidades em ginásios e oferecem consultas de nutrição.

E, em algumas empresas, a saúde mental também não é esquecida. Nestes casos, a oferta está relacionada com a saúde e bem-estar, proporcionando atividades como meditação, Yoga, e apoio psicológico aos seus trabalhadores.

Já noutro campo completamente distinto, a tecnologia também tem sido um investimento por parte das empresas mais tecnológicas. Estas empresas apostam na oferta de smartphones e portáteis de última geração e até no pagamento de subscrições premium de plataformas streaming.

O que está a mudar nas empresas?

Como referido, as empresas enfrentam novos desafios na hora de reter os trabalhadores mais qualificados. Afinal, há já alguns anos que o salário base não é o fator decisivo perante duas ou mais ofertas de emprego.

No geral, os trabalhadores valorizam uma empresa que está disposta a manter os índices de felicidade dos seus colaboradores. E, segundo vários recrutadores e especialistas na área de Recursos Humanos, os trabalhadores têm uma opinião formada sobre aquilo que ambicionam.

Logo, o grande desafio passa por criar formas de oferecer aos trabalhadores benefícios flexíveis no trabalho de acordo com as preferências individuais. Contudo, não é fácil a nível legal atribuir a cada trabalhador os benefícios que ele pretende.

Tendo em conta este obstáculo, as grandes empresas tentam antecipar o que é que a maioria dos trabalhadores valoriza. Mas, como é possível adaptar os benefícios individualmente? No fundo, criando uma vasta oferta de benefícios que depois são atribuídos de acordo com as preferências de cada um.

Por norma, há benefícios que estão nas preferências da maioria dos trabalhadores, como os horários flexíveis, seguros de saúde e de vida, formações, despesas com educação, atribuição de carro, e dias extras de férias.

Contudo, existem outros benefícios mais específicos, com menores custos para as empresas, que podem ser adaptados. Assim, os trabalhadores percebem que a empresa que os quer contratar está disposta a adaptar ao máximo as condições oferecidas, para mantê-lo feliz e motivado.

Ler mais: Salário emocional: está a receber um valor justo?

Indeciso entre duas propostas de trabalho? Analise os benefícios

No caso de estar indeciso entre duas ou mais propostas de trabalho, é hora de parar e fazer uma análise a todas as condições oferecidas. Se os salários oferecidos são idênticos, então este é um fator que pode colocar de parte. Caso não sejam, anote a diferença entre cada um, e veja se os benefícios extrassalariais podem compensar a diferença.

Não se esqueça que deve analisar bem os benefícios flexíveis no trabalho de acordo com as suas preferências. Afinal, existem benefícios que podem ser muito atrativos para alguns trabalhadores, mas que podem não ter a mesma utilidade para si.

Por exemplo, imagine que uma empresa disponibiliza como benefício um automóvel para uso profissional e pessoal. No entanto, se não tem carta de condução ou não acha este benefício muito útil para si, talvez não seja a escolha certa.

Agora, se uma das outras propostas incluir um seguro de saúde e de vida, existe a possibilidade de diminuir as suas despesas mensais. Em comparação, esta opção pode ser mais atrativa.

Se a flexibilidade horária for uma prioridade e não estiver incluída em nenhuma das propostas, pode tentar negociar com as empresas este benefício. Mostre que está entusiasmado com o projeto e que gostaria de fazer parte da equipa, mas a flexibilidade horária é um benefício essencial para si.

Claro que nem sempre é fácil abrir uma linha de negociação. No entanto, se tem mais do que uma proposta em cima da mesa, tente perceber a abertura das empresas para atribuírem os benefícios extrassalariais que ambiciona.

Ler mais: Como escolher entre duas propostas de trabalho

Partilhe este artigo

Você também pode gostar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *